• Agência Towanda

É empoderamento que fala, né?

Atualizado: Jun 17

Por: Elen de Souza


Joyce Martins tem 26 anos e cresceu na periferia de São Paulo. Filha de pais separados, foi criada pelos avós maternos. Cresceu e se tornou uma mulher linda, independente, com uma energia que contagia e personalidade marcante. Mas por que uma pessoa com tais qualidades poderia um dia ter sofrido com comentários maldosos?


A resposta é simples. Ela, como centenas de mulheres reais, não possui a "beleza padrão" que é imposta pela sociedade. Vivemos pressionadas por um conceito de que é preciso ter um corpo escultural, além de outros atributos que beiram a uma suposta perfeição. Isso ocasiona inquietações em muitas mulheres. Provocando inclusive transtornos emocionais.


Joyce Martins

“Eu desde criança sou chamada de gorda, então sempre vivi de regimes e tentativas frustradas de emagrecer.Quando se é gorda e você discute com alguém o insulto da pessoa sempre vai ser sobre seu peso (...) E vendo fotos antigas, eu vi que não era gorda, mas a sociedade já não me aceitava por não estar no padrão e isso distorceu muito a imagem de mim mesma desde sempre."

Aos 18 anos a jovem viveu um relacionamento tóxico, era inclusive humilhada pelo companheiro. As agressões verbais e o excesso de brigas do casal, faziam com que Joyce buscasse na comida a cura para seus tormentos emocionais. Com isso, acabou ganhando mais peso. A autoaceitação do corpo, teve início quando começou a ver na internet jovens que traziam um ponto de vista diferente, rompiam os paradigmas que haviam sido impostos a ela até então.

“Foi quando percebi que não tinha nada de errado comigo, mas tinha muita coisa errada no meu relacionamento, então decidi terminar, e esse foi o pontapé inicial. Muitas de nós entram em relacionamentos abusivos pelo medo de ficar sozinha, eu decidi que queria me desintoxicar disso, de pessoas, de amizades que não me faziam bem e tudo mais. Tiveram alguns sexos casuais, mas nada além disso, e comecei a compreender cada vez mais sobre mim. Eu percebi que eu não me conhecia tão bem, eu sempre evitei ficar sozinha comigo por medo dos meus pensamentos, então eu decidi me enfrentar. Hoje vivo um relacionamento

Foto com sua gata Lilith

saudável.”


Mas as coisas não acontecem num passe de mágica. Não existe dentro de nós uma caixa de pandora apta a qualquer momento a guardar para sempre os nossos anseios.Se libertar de crenças limitantes pode levar tempo. Tudo é um processo diário, às vezes dolorido porém libertador.

“ A internet definitivamente teve e tem grande participação na minha vida no processo de aceitação.O primeiro passo foi deixar de seguir perfis de emagrecimento e pessoas que mostravam uma realidade inalcançável e começar a seguir pessoas com o mesmo estilo de vida que eu."


Segundo ela, a reação da mãe durante o seu período de mudança, foi um dos fatores que a motivou compartilhar suas ideais nas redes sociais.


"Durante o meu processo de auto conhecimento ela estava do meu lado, e notei que absorvia muito as coisas que eu falava, principalmente em relação ao corpo  e isso me mostrou que eu poderia falar também pra outras pessoas além das que estavam no meu circulo de amizade fechado, aí veio a ideia do Instagram."

Atualmente Joyce é uma jovem empoderada e usa as redes sociais na causa da autoaceitação. Com mais de 11 mil seguidores, faz do Instagram uma espécie de diário. Lá, compartilha sua rotina, os perrengues do dia a dia, as pequenas felicidades, seus looks, dicas de maquiagem, suas inúmeras mudanças de cor de cabelo e também desabafos nos dias mais difíceis.

Dia a dia ela resiste à opressão estabelecida pela ditadura da beleza e segue inspirando centenas de mulheres que passam pelos mesmos conflitos que ela um dia também já passou.


“Hoje é muito difícil isso me desestabilizar emocionalmente, mas sempre exponho a situação no meu Instagram pra poder abordar o assunto e mostrar pra outras “manas” que não estão só, e como elas podem lidar com isso. Além disso, mostro uma pessoa que ganha salário baixo, que está no “corre” do dia a dia pra ser alguém e ter alguma coisa, então falo muito sobre os perrengues diários e as conquistas também.”


Joyce em seu novo lar

Com um sorriso no rosto e o coração cheio de alegria, ela posa para a foto segurando uma chave, o símbolo da sua mais recente conquista: uma casa para morar sozinha.

Um feito que ela celebra todos os dias e compartilha com seus seguidores as mudanças que realiza em seu novo lar.

Quem quiser seguir a Joyce e acompanhar a rotina dela, é só seguir o seu perfil no Instagram: @fiqueiadulta



Todos os direitos reservados para Towanda. 

  • Ícone preto do Instagram