• Agência Towanda

Odisseia das flores: música e representatividade

Por: Elen de Souza


Desde o surgimento do rap no Brasil, nos anos 1980, as mulheres lutam contra o preconceito e buscam conquistar espaço nesse cenário musical. Como disse a filósofa Simone de Beauvoir É pelo trabalho que a mulher vem diminuindo a distância que a separava do homem, somente o trabalho poderá garantir-lhe uma independência concreta"

Odisseia das Flores - Arquivo pessoal

E foi com muito trabalho e uma longa caminhada que o grupo de rap Odisseia das Flores conquistou seu espaço. Formado por Jô Maloupas, Letícia e Chai, o grupo representa muito bem a expressão “Gilr Power”. Elas usam versos, rimas e batidas empolgantes, como protesto e luta pela valorização da mulher na sociedade.


Pelos palcos da vida, soltam a voz e vão deixando sua mensagem, utilizando o rap como uma ferramenta de transformação.


“Precisamos nos unir e nos apoiar. É muito gratificante saber que plantamos sementes de esperança no coração de muitas mulheres”, declara Jô Maloupas.


Desde 2008 na ativa, além da música as meninas participam e realizam também ações sociais nas periferias de São Paulo, algumas em parceria com Coletivo São Mateus em Movimento.

Quanto a inspiração para a composição das letras, segundo Jô Maloupas, é necessário estar em um constante processo de desconstrução, avaliando sempre novos pensamentos e opiniões.


“Nascemos numa sociedade machista e muita coisa é constantemente embutida em nossas mentes, e isso acontece desde muito cedo. Por isso é importante essa constante reflexão. Tem algumas letras do passado por exemplo que estamos revendo, pois nossa percepção das coisas mudaram” declara Jô Maloupas


Devido a pandemia e o isolamento social, o grupo está se dedicando a novas composições e também em trabalhos solo.


Enquanto não é possível prestigiar ao vivo o trabalho do Odisseia da Flores, clique aqui e acesse a playlist delas no Spotify. Vejam o trechinho do que espera por vocês lá:


“Resistência, direitos iguais, corremos atrás. Essa é a nossa diferença, não se render jamais” (Como cantam os atabaques)


E para saber sobre todas as novidades desse trio, siga elas no Instagram.


0 comentário

Posts recentes

Ver tudo